Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Primeira Casa da Rua

SE O TEMA É DESIGN SUSTENTÁVEL, DECORAÇÃO SUSTENTÁVEL OU DIY PARA A CASA, ENTÃO ESTÁ AQUI!

A "Leveza" da Construção Sustentável

Um dos temas que cada vez mais está em cima da mesa quando se fala de sustentabilidade é o tema arquitetura, design e processos construtivos, que estão absolutamente interligados. Estes três ângulos só funcionam em perfeita sintonia se estiverem corretamente interligados e a fluírem entre si, permitindo que os processos de criação e construção sejam mais eficazes, mais económicos e mais amigos do ambiente.

Porque venho a pensar e a escrever sobre a "casa", no sentido lacto da palavra, do século XXI, quero destacar alguns dos materiais de construção já disponíveis ou que estão em estudo e que permitem criar uma casa mais amiga do ambiente. O primeiro desafio desta década é reunir tudo o que de melhor se faz na Europa a nível de técnicas e materiais sustentáveis num único código de boas práticas da casa sustentável. Tem que se colocar em prática um processo produtivo uniformizado que permita ter mais eficácia a preços mais baixos, num processo mais sustentável, permitindo ter uma casa mais amiga do planeta. 

Criação, Construção e Vivencia são os três pilares que permitem de um ambiente micro (a casa, o edifício) transformar um ambiente macro (a cidades, o pais, o continente, o mundo).

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 71.jpg

Bioconcrete

Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Delft, Paises Baixos, o bio cimento tem como principal caraterística a possibilidade de regenerar as fissuras através da bactéria bacillus pseudofirmus, que é capaz de produzir calcário e permanecer adormecida até 200 anos. Quando misturadas com o cimento produzem carbonato de cálcio e são capazes de selar as fissuras existentes. As bactérias são "ativadas" pela presença de água e oxigénio, o que acontece quando uma fissura começa a aparecer.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 7.jpg

Bambu

O bambu é uma matéria prima já utilizada nos mais variados produtos, nomeadamente, portas, janelas, pavimentos, mobiliário, entre outros. Agora também está a ser utilizado como material substituto do aço quando se produz o cimento armado. Este é um material extremamente resistente, sustentável e disponível em grandes quantidades. Estão-se a fazer testes no laboratório Future Cities com novas espécies de bambu que apresentam uma resistência à tração 6 vezes maior que a do aço para que este possa ser massificado na utilização na construção, reduzindo assim o orçamento.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 11.jpg

Telhado Verde

No telhado verde é aplicada uma camada vegetal sobre uma base impermeabilizada em PVC. Como as plantas refletem mais raios solares do que as telhas comuns protegem o edifício do calor. Os telhados verdes oferecem um excelente isolamento térmico e acústico para os edifícios.

A tecnologia é especialmente útil nos edifícios de cidades muito quentes, é possível dispensar a instalação de aparelhos de ar condicionado e poupar recursos e energia elétrica. Uma pesquisa do EnergySavers revelou que projetos com telhados verdes podem diminuir "ilhas" de calor nas grandes metrópoles.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 10.jpg

Vidro inteligente

Com um simples toque pode controlar a transparência, a absorção de calor e que área do espaço que será iluminado. Em dias muito quentes basta ajustar os controles para que menos luz do sol passe pelo vidro. Este tipo de vidro pode ser utilizado no interior mas também no exterior. Estima-se que possa economizar mais de 25% os gastos com ventilação, iluminação e ar-condicionado.

Replast

Criado por uma empresa americana ByFusion, o tijolo REPLAST é produzido a partir da compressão dos restos de plástico em blocos modulares. Como são moldados em várias formas e vários encaixes não é necessário utilizar cola adesivos ou qualquer tipo de argamassa para garantir a sua fixação. O processo de fabricação não emite CO² e também não é tóxico. Normalmente os resíduos plásticos usados como matéria-prima são retirados dos oceanos.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 57.jpg

Argamassa de argila

A argamassa feita com argila substitui o cimento na mistura da massa e pode ser usada em paredes internas para assentar os acabamentos. A vantagem é que é totalmente sustentável e tem um melhor desempenho termo-acústico. A argamassa de argila ainda impede o aumento excessivo de humidade nos ambientes mais húmidos por isso também pode ser utilizado como material isolante.

Tinta Ecológica

As tintas ecológicas são formuladas a partir de corantes e óleos totalmente naturais. Não há acréscimo de consumos derivados de petróleo ou uso de componentes sintéticos. Algumas tintas também são livres de Compostos Orgânicos Voláteis, os chamados COVs, que são prejudiciais para a saúde e contribuem para a destruição da camada de ozono.

Claro está que o preço de cada um destes materiais pode aumentar o orçamento da construção, mas cabe aos governos e a corretas políticas publicas, incentivar todos os intervenientes do processo até chegar ao consumidor final, para que a trocar produtos prejudiciais por produtos amigos do ambiente seja uma realidade, há que massificar. Só assim conseguimos atingir um volume de oferta necessário para que os preços sejam mais baixos e acessíveis a todos e a construção reduza o seu "peso", o seu impacto no meio ambiente, tornando-se muito mais "leve", mais amiga do ambiente.

Arch2O-10-sustainable-houses-you-would-love-to-liv

Edgeland House – by Bercy Chen Studio

Fall House – Fougeron Architecture

Fall House – Fougeron Architecture

Piquenique em casa

O confinamento veio para ficar, pelo menos por mais algumas semanas, por isso há que puxar pela imaginação e criar momentos especiais. Se tem uma varanda, um espaço exterior, aproveite o bom tempo e usufrua do espaço. Se não tem um espaço exterior afaste os móveis da sala de estar e mãos à obra.

Coloque umas paletes ou umas caixas como mesa de refeição, se não tiver nenhuma das duas soluções, basta uma toalha no chão para dar um toque diferente ao espaço. Para criar um ambiente mais intimista coloque uma grinalda de lâmpadas por cima da mesa, se não tiver as lâmpadas coloque vários suporte de velas espalhados pela mesa.

Antes de colocar a "mesa"  coloque no chão um tapete mais felpudo e umas almofadas ou pufes para que se possa sentar de uma forma mais confortável. As flores frescas não podem faltar tal como os pratos e os copos que uttiliza nas ocasiões especiais. Deixe os guardanapos de papel na gaveta e coloque os guardanapos de pano para que seja mesmo um almoço ou jantar diferente.

Este é um projeto para um sábado ou domingo que tenha mais tempo. Aproveite e divirta-se com toda a família reunida.

 

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 5.jpg

 

E já lá vão 8 anos de Primeira Casa da Rua ✨

Desde 07.02.2013 que procuro dar sugestões, ideias ou caminhos para ter uma casa mais amiga do ambiente, mostrando dicas de design, decoração ou faça você mesmo tendo os 3 erres da Primeira Casa da Rua, reutilização, reciclagem e recuperação de materiais sempre a fazer parte da fórmula.

Há 8 anos que conto com a sua companhia e que bom que é poder partilhar consigo quase 20 anos de experiência como designer de interiores e produto. Espero poder continuar a contar consigo.

Obrigado por fazer parte da minha vida, obrigado por fazer parte da vida da Primeira Casa da Rua.

Sinta-se em casa! ❣️ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ ⠀

primeira casa da rua by Nuno Matos Cabral.pngwww.nunomatoscabral.com | www.primeiracasadarua.com

 

Faça Você Mesmo a Jarra Lâmpada

Como estamos em casa, mesmo em teletrabalho, deixe pelo menos 1 hora para descontrair. Porque não um projeto faca você mesmo em que pode transformar aquelas lâmpadas que já não funcionam numas jarras super originais para decorar a parede da sala ou da cozinha. Vamos reutilizar?

Formula FINAL Primeira Casa da Rua by Nuno Matos C

Para criar a nova jarra só precisa de uma lâmpada, um alicate, luvas e óculos de proteção para que não se magoe. Retire a zona preta da rosca da lâmpada, puxe os filamentos do seu interior com todo o cuidado para não partir a lâmpada e a jarra está pronta!

Se pretende pendurar as lâmpadas numa parede, escolha um fio de la ou de outro material que tenha em casa e coloque à volta da rosca da lâmpada. Pendure a corda num prego de pequenas dimensões, de preferência da cor da parede para não chamar a atenção para o prego e já esta. Para que a sua decoração fique diferente, replique o projeto com varias lâmpadas para criar uma composição com varias jarras espalhadas pela parede.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 11.png

Uma ideia económica e simples de fazer. Ajuda a passar o tempo e dá um toque mais divertido ao espaço. Descubra este e outros projetos na secção DIY, basta clicar aqui para não perder pitada.

*Nada se desperdiça tudo se transforma

Fora de Casa #026

Cada vez mais a arte ou instalações urbanas são uma das melhores formas para que um artista ou um designer possa passar uma mensagem, cada vez mais tenho a certeza que é um desafio que também quero muito experiênciar.

Em Madrid a artista Alicia Martín’s criou uma instalação na Casa da América onde foram utilizados mais de 5 000 livros usados. A artista pretendeu criar uma avalanche de livros para sensibilizar para o poder da literatura.

Esta e uma obra que fez parte de um conjunto de instalações que a artista criou em toda a Espanha com o titulo Biografias, tendo sempre como material de trabalho livros em segunda mão.

Aproveite para ver ou rever, algumas das instalações que já postamos em "Fora de Casa": 12345.

 

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 10.jpg

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 11.jpg

Reflexão sobre a Casa Pós Covid

Em Março de 2020 refleti sobre como seria a casa pós covid, agora com a continuação da pandemia e um novo confinamento tenho mais algumas ideias de como será a casa pós covid. Vou dedicar algum tempo a aprofundar alguns dos temas que carecem de uma maior profundidade.

Vamos começar por rever o texto de Março de 2020.

Nesta altura o tempo dá-nos tempo para pensar em temas que vão estar em cima da mesa nos próximos tempos. Por exemplo, como vai ser a casa depois do COVID 19?

Durante o período de confinamento já começámos a viver a casa de uma maneira diferente. Estamos a dar mais uso a divisões que não eram utilizadas e a atribuir novas funcionalidades àquelas divisões que normalmente só tinham uma função. A sala de jantar, hoje, já não é só a sala de jantar, mas também pode ser a escola, durante o período de aulas, e à noite, a zona de trabalho do pai, da mãe ou de ambos. A sala de estar pode ser o ginásio dos adultos no período da manhã e à tarde o ginásio dos mais pequeninos. Vamos ter espaços mais abertos e informais onde vamos procurar ter uma decoração mais informal, descontraída e com facilidade de ser alterada em poucos minutos. Peças de mobiliário mais leves, de fácil arrumação e algumas, até com rodas, para que tudo possa ser movimentado com o maior conforto e rapidez.

Devido ao confinamento muitas pessoas necessitaram de espaços para estarem sozinhas, num momento de puro prazer individual, já que tantas horas e dias confinados com toda a família permitem picos de tensão e stress. A criação desses espaços, vão-se manter mesmo depois do COVID-19 e mesmo em divisões onde o espaço não é abundante. Algumas plantas em vários níveis de altura podem ser a solução para que possa ter aquele cantinho para descansar e para separar este espaço da outra zona da divisão.

Primeira Casa da Rua 1.jpg

A casa vai ficar mais inteligente para um maior numero de pessoas, com a utilização massiva da domótica. Há muito que explorar para que a casa esteja protegida da contaminação, cada vez mais instruções para que tudo ou quase tudo possa funcionar com ordem de voz, talvez até possamos vir a ter um controlador de temperatura à porta ou um kit de higienização automática na entrada de casa.

Um hábito cultural, há muito praticado na Ásia, chegou ao mundo ocidental e veio para ficar. Os sapatos deixados à entrada de casa, seja na própria ou na casa de amigos ou família vai ser uma pratica reiterada, em todos os estilos de casas. Nós, designers vamos ter que pensar em formas visualmente apelativas para termos todos os sapatos à entrada, sem parecer que estamos perante uma exposição de sapatos.

Primeira Casa da Rua4.jpg

Outro hábito que vai fazer cada vez mais parte da vivência da casa é a criação de hortas. As hortas vão fazer parte dos jardins, quintais, terraços, varandas ou até mesmo do interior das casas, para onde já existem soluções perfeitas. Para quem não tem espaço, as hortas verticais vão ser a solução. Cada vez mais devemos ser auto-suficientes em tudo o que for possível. Plantas em casa também vão fazer cada vez mais parte da decoração de todas as divisões, criando uma sensação de contacto com a natureza mais próximo, humanizando cada vez mais os espaços.

Primeira Casa da Rua 5.jpg

Estes são alguns dos elementos ou hábitos que já mudaram em 2 meses e que vieram para ficar. Há outros hábitos e vivencias que se vão alterar. Só com o tempo vamos perceber aquilo que cada um de nós necessita e que pretende colocar dentro de casa. O caminho faz-se caminhando e é isso que devemos fazer, viver a vida, viver a casa que sempre foi, é e será sempre tão importante.

wall-white-frame-table-preview.jpg

Agora posso acrescentar mais algumas ideias:

O hall de entrada ganhou uma importância ainda maior, há peças de mobiliário que não podem faltar, para alem da sapateira, para colocar os sapatos assim que chega da rua, deve ter um cabide para colocar os casacos, uma consola com um tabuleiro para colocar as chaves e as carteiras.

Tenha um pequeno caixote do lixo com um toque de design à entrada para colocar as mascaras, luvas e outros produtos "sujos". Na consola deve ter um recipiente com um toque giro sempre com gel para que depois de tudo colocado nos respetivos sítios possa desinfetar as mãos.

Quanto à construção, vamos apostar em processos mais simplificados de construção e mais baratos, para que todos possam ter direito à habitação, um direito que deveria ser universal, utilizando produtos na construção que derivam de reciclagem e reutilização.

A domótica já está à espera da inteligência artificial para que cada vez mais as casas nos possam ajudar a ter uma vida mais amiga do ambiente, com menos desperdício a todos os níveis, desde a água, passando pela informação da comida que está quase a passar de prazo. Vamos ter mobiliário inteligente, com características que permitem a sua adaptação por exemplo ao estado de espírito.

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral 9.jpg

O higienizador do ar também vai ser cada vez mais uma presença dentro de casa. Deixa de ser um mero eletrodoméstico para ser uma verdadeira peça decorativa que se pode enquadrar em qualquer estilo de decoração. Vai ser um eletrodoméstico que vai estar em conexão com a casa inteligente que irá aferir a qualidade do ar e ligar o higienizador sempre que necessário.

A casa no seu todo vai ser um "cérebro" que nos vai ajudar a gerir a nossa vida e a vida de toda a família e contribui para o nosso bem estar. Vai permitir a gestão de agendas, de tarefas a fazer para cada um dos elementos da família, enfim uma panóplia de funções que nos vão permitir mais qualidade de vida, permitindo que nos foquemos no principal deixando o acessório para a nossa casa.

Estes são algumas linhas orientadoras dos vários caminhos que vamos seguir na casa da segunda década do século XXI. Que casa vamos ter na década de 20 do século XXI é uma pergunta que vou continuar a fazer a mim próprio. 

Ser e não Ter

Depois de passar pela maior provação da minha vida é hora de olhar em frente e cumprir o meu papel, viver a vida. Viver a vida com mais uma lição aprendida, devemos ser e não ter.

É muito mais importante aquilo que somos do que aquilo que temos. Sermos amados e amar-mos, sermos amigos, sermos fiéis às pessoas e aos valores, sermos verdadeiros, sermos a essência, sermos nós próprios, estes são alguns dos somos tão importantes como tantos outros somos. O ter é só uma grilheta que nos prende a coisas supérfluas e sem importância. É isso que quero para a minha vida? Não.
 
Com este texto não tenho qualquer pretensão a não ser partilhar aquilo que de melhor tirei da maior provação da minha vida, as conclusões, cabe a si tirar.
 
Vou então viver a vida, sempre de sorriso nos lábios.
 
Vamos lá vida, anda daí!
 
Vivam e sejam.

Nuno Matos Cabral.jpg