Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Primeira Casa da Rua

SE O TEMA É DESIGN, DECORAÇÃO OU FAÇA VOCÊ MESMO, ENTÃO ESTÁ AQUI!

Eco Design: Bricolage com Assinatura

Cada vez mais o Bricolage já não é só fazer a tradicional boneca de trapos ou a bicicleta transformada numa bancada de casa de banho. Atualmente o bricolage é muito mais do que isso, são verdadeiras peças de design com assinatura.

Nós, os designers, cada vez mais, estamos a dar atenção a esta atividade que desde sempre foi esquecida ou colocada em segundo plano e o meu atelier, Nuno Matos Cabral Design Studio, não é exceção. Estamos sempre atentos a projetos que possam ser realizados em casa, por cada um dos seus habitantes sem necessitarem da ajuda de terceiros. O bricolage não é inimigo dos designers, bem pelo contrário, pode ser um aliado. Por vezes pode servir de inspiração para a criação de novos conceitos e novas peças, mas também, pode ser um mero complemento a verdadeiras peças icónicas. 

Esta é uma das primeiras peças a destacar, que pode replicar em casa sem ter que recorrer à ajuda de terceiros. Um suporte para vasos ao estilo Boho Chic. Um tronco de madeira seco, quatro ou cinco composições de macramé, se não tiver nenhum nó favorito aposte em tranças com cordas coloridas. Escolha alguns vasos que já há muito estavam guardados com as suas plantas favoritas e argolas metálicas para fixar os vasos ao tronco.

E já está, aqui tem a primeira peça de design que vai complementar a decoração do seu espaço. Esta é uma peça adequada para um espaço onde os brancos, as madeiras e as plantas são o mote para uma composição onde a natureza está em perfeita harmonia com o espaço.

Descubra outras peças que pode fazer com as suas próprias mãos: 1, 2, 3, 4, 5.

 

Primeira Casa da Rua by Nuno Matos Cabral.JPG

 

Media: Na Antena 1

Na passada semana estive à conversa com a Jornalista Eduarda Maio no programa Que Vida é a Nossa? da Antena 1. O tema da conversa: Como vai ser a casa pós COVID? Um assunto que merece a reflexão de todos, inclusive de designers nas várias áreas. No atelier Nuno Matos Cabral Design Studio não fomos exceção e também refletimos sobre o tema.

Para ouvir a totalidade da entrevista clique aqui. Uma entrevista onde ficam algumas pistas de como vai ser a casa pós COVID, como vamos viver as várias divisões e espaços das nossas casas. Também pode ler o artigo da Primeira Casa da Rua que serviu de mote à nossa conversa, para isso basta clicar aqui.

Nuno Matos Cabral @ Antena 1.png

 

Design: A casa pós COVID-19

Nesta altura o tempo dá-nos tempo para pensar em temas que vão estar em cima da mesa nos próximos tempos. Por exemplo, como vai ser a casa depois do COVID 19?

Durante o período de confinamento já começámos a viver a casa de uma maneira diferente. Estamos a dar mais uso a divisões que não eram utilizadas e a atribuir novas funcionalidades àquelas divisões que normalmente só tinham uma função. A sala de jantar, hoje, já não é só a sala de jantar, mas também pode ser a escola, durante o período de aulas, e à noite, a zona de trabalho do pai, da mãe ou de ambos. A sala de estar pode ser o ginásio dos adultos no período da manhã e à tarde o ginásio dos mais pequeninos. Vamos ter espaços mais abertos e informais onde vamos procurar ter uma decoração mais informal, descontraída e com facilidade de ser alterada em poucos minutos. Peças de mobiliário mais leves, de fácil arrumação e algumas, até com rodas, para que tudo possa ser movimentado com o maior conforto e rapidez.

Devido ao confinamento muitas pessoas necessitaram de espaços para estarem sozinhas, num momento de puro prazer individual, já que tantas horas e dias confinados com toda a família permitem picos de tensão e stress. A criação desses espaços, vão-se manter mesmo depois do COVID-19 e mesmo em divisões onde o espaço não é abundante. Algumas plantas em vários níveis de altura podem ser a solução para que possa ter aquele cantinho para descansar e para separar este espaço da outra zona da divisão.

Primeira Casa da Rua 1.jpg

A casa vai ficar mais inteligente para um maior numero de pessoas, com a utilização massiva da domótica. Há muito que explorar para que a casa esteja protegida da contaminação, cada vez mais instruções para que tudo ou quase tudo possa funcionar com ordem de voz, talvez até possamos vir a ter um controlador de temperatura à porta ou um kit de higienização automática na entrada de casa.

Um hábito cultural, há muito praticado na Ásia, chegou ao mundo ocidental e veio para ficar. Os sapatos deixados à entrada de casa, seja na própria ou na casa de amigos ou família vai ser uma pratica reiterada, em todos os estilos de casas. Nós, designers vamos ter que pensar em formas visualmente apelativas para termos todos os sapatos à entrada, sem parecer que estamos perante uma exposição de sapatos.

Primeira Casa da Rua4.jpg

Outro hábito que vai fazer cada vez mais parte da vivência da casa é a criação de hortas. As hortas vão fazer parte dos jardins, quintais, terraços, varandas ou até mesmo do interior das casas, para onde já existem soluções perfeitas. Para quem não tem espaço, as hortas verticais vão ser a solução. Cada vez mais devemos ser auto-suficientes em tudo o que for possível. Plantas em casa também vão fazer cada vez mais parte da decoração de todas as divisões, criando uma sensação de contacto com a natureza mais próximo, humanizando cada vez mais os espaços.

Primeira Casa da Rua 5.jpg

Estes são alguns dos elementos ou hábitos que já mudaram em 2 meses e que vieram para ficar. Há outros hábitos e vivencias que se vão alterar. Só com o tempo vamos perceber aquilo que cada um de nós necessita e que pretende colocar dentro de casa. O caminho faz-se caminhando e é isso que devemos fazer, viver a vida, viver a casa que sempre foi, é e será sempre tão importante.

www.nunomatoscabral.com